Agora que nós aprendemos como uma amizade não saudável funciona, vamos falar
sobre as amizade saudáveis. Para isso, devemos começar com o propósito da amizade,
biblicamente falando.

Amizade para Jesus

 

“Ó, quem, senão os cristãos, sentem esses prazeres quando estão unidos pela amizade
para o nosso amado Senhor Jesus Cristo?”
Samuel Pearce

 

Amizade PARA Jesus. Que coisa maravilhosa, de fato. Enquanto discutimos amizade
bíblica cristã, lembre-se que, assim como todas as outras coisas, ela serve para nos voltar
para Cristo. Ao contrário do modelo de amizade encravado no mundo, a amizade para
Jesus olha além dela mesma para encontrar seu próprio propósito. Assim como John
Piper colocou, é bom que nós “tenhamos um agrupamento de companheiros na fé com
um acordo mútuo de que irão continuamente voltar-se para Cristo em busca de esperança
e força.”

Sem ser exaustiva, abaixo seguem quatro propósitos específicos que os amigos devem
concretizar em nossas vidas.

1. Amigos nos ajudam a desfrutar completamente de Deus

 

“E não vos embriagueis com vinho, que leva à devassidão, mas deixai-vos encher pelo
Espírito, falando entre vós com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando
de coração ao Senhor”
Ef 5:18-19

 

As coisas são mais bem aproveitadas em conjunto. Seu filme favorito é muito bom
quando você assiste sozinho. É melhor ainda com os amigos. Uma boa refeição é
deliciosa. Mas é bem mais gostosa quando dividida com amigos. O próprio Deus é a
perfeita combinação tríplice: Pai, Filho e Espírito Santo. Dessa forma, feitos à Sua
imagem e semelhança, nós somos bem-sucedidos quando em comunhão. Compartilhar
nossa alegria com os outros é algo inato. As melhores experiências da vida são aquelas a
que arrastamos nossos amigos para irem junto: “Você tem que ver esse filme!” “Você tem
que vir comigo nesse restaurante!”.

De todas as coisas de que podemos gozar, Deus é a melhor! Nós fomos criados para
aproveita-Lo e para centralizarmos nossas vidas nEle! E nós aproveitamos Deus muito
mais completamente com outras pessoas. Amigos nos ajudam a desfrutar de Deus
desfrutando-O conosco.

Tomemos cuidado para não invertermos o que foi dito, fazendo com que Deus torne-se
nosso meio para aproveitar mais as pessoas pedindo mais delas (marido, amigos, filhos)
para desfrutar. Ele não é o meio, mas o próprio fim.

2. Amigos expõem pecados que nos afastam de Deus

 

“Quem fere por amor demonstra lealdade, mas falsos são os beijos do inimigo!” Pv 27:6
“Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vós que sois espirituais, deveis
restaurar essa pessoa com espírito de humildade. Todavia, cuida de ti mesmo, para que
não sejas igualmente tentado. Levais as cargas pesadas uns dos outros e, assim, estareis
cumprindo a Lei de Cristo” Gl. 6:1-2
“Se teu irmão pecar contra ti, vai e, em particular com ele, conversem sobre a falta que
cometeu. Se ele te der ouvidos, ganhaste a teu irmão” Mt 18:15

 

O pecado nos engana. Ele obscurece nosso entendimento e nos faz tolos. Tanto é que
podemos estar caminhando em pecado e estarmos convencidos de que Deus está
satisfeito conosco. É por isso que precisamos desesperadamente de amigos. Precisamos
de amigos que nos mostrem nossos pecados, que nos façam enxergar os pontos cegos.
Precisamos que outro nos falem a verdade em amor. (Ef 4:15)

Bons amigos dizem a verdade sobre você. Esses amigos são um presente, mas um presente
desconfortável, com certeza. Quem gosta de ter seus erros apontados? Quem gosta de ser
pego em pecado? Ninguém. Mas nesse mundo nós IREMOS lutar contra o pecado. E se
recebermos de bom grado essa graça desconfortável, ela irá nos guiar para essa vida
abundante, para a liberdade e para uma felicidade profunda em Deus.

Essa é uma função da comunhão que poucas pessoas querem. Nós preferimos ter
amigos que nos digam o que queremos ouvir, que nos mostrem a falsa graça de pecados
desculpados e nos dão falsa esperança de que podemos crescer mais perto de Deus sem
arrependimento. Mas porque o pecado é um veneno para nossa alma e um ladrão da
alegria em Deus, essa é uma função da comunhão da qual não podemos nos dar ao luxo
de rejeitar.

 

3. Amigos nos encorajam a obedecer a Deus

 

“Pelo contrário, exortai-vos mutuamente todos os dias, durante o tempo que se chama
‘hoje’, de maneira que nenhum de vós seja embrutecido pelo engano do pecado” Hb 3:13
“…Consideremos uns aos outros, para nos encorajarmos às manifestações de amor
fraternal e às boas obras” Hb 10:24

 

Da mesma forma que precisamos de amigos para nos ajudar a enxergar nossa
desobediência, nós também precisamos deles para nos induzir à obediência. Sem a
torcida de amigos cristãos, podemos nos tornar estagnados, não apenas por fazermos
coisas erradas, mas também por não fazermos as certas.

Encorajamento é dar a alguém uma visão maior do porquê sua obediência importa no
Reino. É a afirmação de que sua obediência honra a Deus e o incentivo que a mantém
firme. Independentemente do modo que apareça, o encorajamento motiva esse alguém a
continuar correndo a corrida destinada a ele/a.

 

4. Amigos nos trazem para Deus

 

“Portanto, confessai vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes
curados. A súplica de uma pessoa justa é muito poderosa e eficaz” Tg 5:16
“Porém, vós sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade
exclusiva de Deus, cujo propósito é proclamar as grandezas daquele que vos convocou
das trevas para sua maravilhosa luz.” 1Pe 2:9
“Assim, como povo escolhido de Deus, … Zelai uns pelos outros e perdoai-vos
mutuamente; caso alguém tenha algum protesto contra o outro, assim como o Senhor vos
perdoou, assim também procedei.” Cl 3:12-13

 

Nós somos sacerdócio real. Todos os crentes têm acesso ao Santo dos Santos com
acesso direto a Deus. Isso significa que cada um de nós é um sacerdote. Biblicamente,
um sacerdote era a ponte do espaço que separava homens e Deus através da
intercessão e de sacrifícios. Enquanto o sacrifício final já foi feito por Jesus, ainda somos
chamados de sacerdócio real.

Caminhar com Deus em um mundo manchado pelo pecado, com uma carne onde o
pecado impera e com um inimigo determinado é muito difícil de se concretizar sozinho. Quando sozinhos, nos tornamos suscetíveis a acreditar nas mentiras do inimigo. Quando
sozinhos, nós entramos em colapso sob o peso do pecado. Quando sozinhos, nos
tornamos desencorajados e fatigados em lutar contra o pecado. Precisamos da
ministração de outros crentes para nos trazer para Deus quando estamos fracos.

Eis algumas formas que um amigo pode usar para nos trazer para Deus:

 

Confissão e Oração

Tiago nos ensina a confessar nossos pecados a outras pessoas e pedir para que orem
para que sejamos curados. Quando confessamos, sentimos o peso do pecado ser
dividido e experimentamos o gracioso abraço de Deus através de um amigo que nos
lembra que já somos perdoados através da vida e morte de Jesus.

 

Compartilhar o Peso

Isso pode significar estar regularmente ouvindo e orando por um amigo que está
passando por uma fase difícil ou ajudando de formas práticas. Nós somos chamados para
entrar no sofrimento de outra pessoa e falar a verdade sobre quem Deus é e sobre quem
nós somos.

 

Intercessão

Marcos 2:3-5 é uma ótima visão de intercessão. O que o homem paralítico não pôde fazer
para si mesmo, seus amigos fizeram por ele: o levaram a Jesus. Através de oração de
intercessão, nós podemos levar nossos amigos a Deus, pedindo para que Ele realize
grandes coisas em suas vidas e, assim, tenham a coragem de orar por si próprios.

 

Amizade para a Glória de Deus

 

“Assim, seja comendo, seja bebendo, seja fazendo qualquer outra coisa, fazei tudo para a
glória de Deus.”
1Co 10:31

 

Você percebeu que todos esses propósitos terminam com a mesma palavra? DEUS.
Assim como todo resto, o propósito da amizade deve centrar nEle. Vamos parar de fazer
Deus um servidor das nossas amizades e permitir que estas sirvam a Ele e a Seu Reino.
Não podemos glorificar a Deus sozinhos, não podemos viver por Sua glória sozinhos.
Precisamos um dos outros!

“Essa é a diferença entre a camaradagem cristã e outros grupos de apoio, de terapia e de
autoajuda. A ideia integral da amizade cristã é apontas uns para os outros a Cristo, não o
homem, por ajuda e força” John Piper

 

Amizade saudável VS. Não saudável

 

Nós passamos um bom tempo discutindo amizades codependentes e insalubres e, agora,
o que amizades saudáveis e voltadas para Deus são. Abaixo, há uma tabela que irá
simplificar essas diferenças e torna-las mais fáceis de identificar.

 

Amizade Saudável
Amizade não saudável
Dar máxima importância a Deus Dar máxima importância a um outro
Perguntar: “Como ter mais de Jesus
nessa amizade?”
Perguntar: “Como ter mais um do
outro nessa amizade? “
Agir como indivíduos que respondem
a Deus
Agir como um par que responde um
ao outro
Ficam felizes quando o outro faz
novas amizades
Ficam felizes quando o outro faz
novas amizades
Seguram a amizade de mãos abertas Sentem que um é dono do outro
Apontam os pecados com amor Perdoam o pecado em nome do “amor”
São combustível para nosso desejo
por Deus
Reduzem nosso desejo por Deus
Encorajam obediência a Deus Desencorajam a obediência a Deus
Passam tempo orando um pelo outro
sozinhos
Apenas oram um pelo outro quando
juntos
Ligam para a glória de Deus Ligam apenas para a própria
importância
Encorajam a precisarmos cada vez
mais de Deus
Nos encorajam a precisarmos cada
vez mais um do outro
Diz que Deus é o lugar que pertence Diz que ele próprio é o lugar a que
pertence
Quer que os amigos tenham mais
de Jesus
Quer que os amigos tenham mais
da amizade

 

Por que você adora?

 

Agora você consegue ver a diferença entre uma amizade saudável, centrada em Deus e
uma não saudável, centrada em pessoas. Uma é baseada na adoração de Deus, a outra,
na adoração de pessoas.

Nós fomos criados para adorar um bom Deus e para ter nossas vidas centradas nEle.
Nossas relações com as pessoas foram feitas para que nos voltemos a Ele. Não
revertamos a ordem. Não permita que Deus seja um meio para seus fins, vendo-o como
apenas um veículo para conseguir um melhor amigo, um namorado, um marido, um filho.
Falar com Deus e fazer coisas espirituais não significa, necessariamente, que você O
adora. Por que não levar a sério a avaliação de seus relacionamentos e, em oração,
perguntar as seguintes questões para verificar se você tem adorado uma pessoa e não a
Deus:

 

  • Existe alguém em minha vida que sinto que não conseguiria viver sem?
  • A quem sempre peço ajuda em momentos difíceis antes de orar a Deus?
  • Quem em minha vida, quando ausente, faz com que eu me sinta incompleto?

 

Você percebeu, através dessas perguntas, que está em uma amizade não saudável?

Você tinha uma visão errada sobre as amizades e seus propósitos? Na parte 5, falaremos
sobre alguns passos que você pode tomar em direção à liberdade.

 

Kelly Needham
Tradução: Daniela Zanella

Nota: Esse artigo foi originalmente publicado no blog KellyNeedham e traduzido sob autorização da autora.
Parte 3