Se você está apenas surgindo nessa conversa, eu espero que você volte e leia as
primeiras quatro partes dessa série para ter um contexto. Tenho falado sobre o problema
das amizades codependentes que são enraizadas na idolatria e que derrubam o propósito
de uma amizade bíblica.

 

Passos rumo à liberdade

Se é evidente que você tem idolatrado uma pessoa na sua vida e tem se tornado
emocionalmente dependente dela, aqui vão alguns passos básicos que você pode seguir
rumo à liberdade. Por favor, lembre-se de que o grau de necessidade desses passos se
baseiam em quão profundamente você está entrincheirado nessa relação de idolatria. Para aquele que conta sempre com seu parceiro antes de conversar com Deus, uma
simples confissão e arrependimento para outro amigo pode ser suficiente. Para aquele
que aspira ao término do recesso para que, assim, possa aconchegar-se novamente nos
braços do(a) parceiro(a), esses passos são ainda mais importantes.

Também é importante lembrar que situações diferentes exigem coisas diferentes. É
aí que a sabedoria e orientação de outros se torna crucial. Por exemplo, mesmo sendo
possível a dependência emocional ser formada entre dois amantes, nenhuma forma de
separação é boa em um casamento. A dependência emocional em um homem deve ser
tratada diferentemente da dependência emocional em uma mulher.

 

1. Seja honesto e arrependa-se

Seja honesto consigo mesmo. Embora seja doloroso encarar nosso pecado nos
olhos, nós nunca podemos simplesmente deixa-lo passar, ignorando-o. Se nos
recusarmos a encarar a realidade de nossos pecados, iremos apenas agravar as
consequências e prolongar a dor.

Seja honesto com Deus. Converse com Ele abertamente sobre seu amigo e como
você se sente sobre ele. Abertamente, confesse seu desejo de correr para ele
anteriormente a Ele. Arrependa-se e concorde com Deus que encontrar seu valor,
propósito, propriedade e segurança em qualquer coisa além dEle é idolatria. “Eles me
abandonaram, a mim, a própria Fonte de Água Viva; e tentaram cavar as suas próprias
cisternas, poços rachados que não conseguem reter a água.” (Jr 2:12-13). Peça a Deus
para que o salve da fortaleza da codependência.

Seja honesto com outra pessoa que não seja o amigo de que você depende.
Encontre uma mulher cristã madura, estável e confiável para conversar. Conte a ela que
você se tornou muito dependente de seu amigo e que tem dado a ele mais atenção em
sua vida do que a Deus. Peça por oração e conselhos. Embora seja tentador, não é uma
boa ideia se abrir primeiro com aquele de que você depende. Embora você deva
eventualmente conversar abertamente sobre essas coisas com seu amigo, fazê-lo logo
depois de elas terem acontecido causa maior apego. É claro, a importância de como e
quando falar com o amigo de que você depende é proporcional a quão profundo e
duradouro o apego têm sido.

 

2. Gradativamente, afaste-se

Crie uma distância desse amigo de diferentes maneiras: fisicamente,
emocionalmente e espiritualmente. Isso pode querer dizer passar mais tempo em grupo.
Dizer não àqueles programas a dois. Abster-se de conversas íntimas emocionais e
espirituais como confissão de pecados, oração, etc. Se vocês moram juntos, convide
pessoas para passar um tempo em sua casa. Ou saia de casa para fazer tarefas, recitais,
etc. Esse passo talvez o leve, naturalmente, a uma conversa saudável sobre o porquê de
você precisar de espaço e te dá a chance de confessar qualquer pecado que você tenha
cometido e o desejo de crescer espiritualmente de forma saudável como pessoa e
também em sua amizade.

 

3. Prepare-se para o luto

Abandonar uma relação dependente é doloroso. Quando você já firmou suas
pernas em apenas um local, é aterrorizante muda-las de lugar. Porque, talvez, você já
tenha tratado esse amigo como seu alguém especial, isso pode parecer um término de
namoro. Permita-se ficar de luto por um tempo. Fale com aquela cristã confiável e madura
de antes e com Deus sobre isso. Leia os Salmos. Escreva como você se sente. E saiba
que esse período difícil vai passar.

 

4. Cultive outras amizades

Isso pode ser um pouco difícil e assustador de primeira. Você pode estar
acostumado à falsa segurança de “um amigo que sempre te aceitará, nunca vai te deixar
nem te desapontar”. Mas lembre-se, o ÚNICO que nunca irá nos desapontar é o próprio
Deus. Cultivar outras amizades também irá nos ajudar a manter a esperança em Deus,
não em pessoas. Você provavelmente terá que dar passos para fazer amigos que você
não necessariamente quer. Mas caminhe na fé e confie em Deus com todo seu coração,
não em uma pessoa.

 

5. Busque um discipulador

Enquanto a maior parte das pessoas supõe que aconselhamento é apenas para
situações traumáticas, é bom fazê-lo vez ou outra. Se você tiver os meios, considere
procurar um conselheiro bíblico que o acompanhe enquanto você realiza sua jornada para
longe da dependência. Ter um lugar seguro para discutir essas coisas com um
profissional treinado que ama Jesus é inestimável.

 

6. Cultive intimidade com Deus

Último, não menos importante, mas porque esse passo deve estar sempre em sua
cabeça: cultivar intimidade com Deus. Ele é o melhor amigo que você pode ter e o único
Verdadeiro, Fiel e Honesto.

Para aqueles que têm tido relações sexuais com um amigo

Se você já foi até esse ponto, de permitir que a amizade se torne sexual, por favor,
me ouça: VOCÊ NÃO ESTÁ SÓ. Existem outros que estiveram onde você está e que
agora são livres; muitos até estão bem casados! Nenhum pecado vai além da incrível
obra redentora de Deus.

 

Eu sou lésbica?

Essa é a primeira pergunta que muitos se fazem. Porque você teve relações
sexuais com alguém do mesmo sexo e, em algum ponto, sentiu que foi natural e com
desejo, essa é uma pergunta normal para se fazer. Nós vivemos em um mundo que
poderia te dizer que sim, você é lésbica ou bissexual.

Mas deixe-me ser muito clara, a resposta é não. Você não é lésbica. Enquanto
“lésbica, gay, homossexual, bissexual” podem ser denominados como descrição de
identidades, ultimamente, eles são todos descrições de modos de vida.

Deus não faz mulheres lésbicas ou heterossexuais. Ele faz mulheres.

Deus não faz homens gays ou heterossexuais. Ele faz homens.

“…à imagem de Deus os criou: macho e fêmea os criou.”(Gn 1:27)

Isso é algo importante para nós entendermos. Ao adorarmos uma pessoa, nós
convidamos a perversão para entrar em nossa vida e isso pode nos levar a desejos
sexuais pelo mesmo sexo que nos pareçam naturais e normais. Isso não significa que
você possui uma identidade homossexual. Pelo contrário, significa que você está
experimentando as consequências de um objeto errado de idolatria.

Nós somos TODOS suscetíveis à distorção de sexualidade. Ninguém está acima
disso.“Pois, se alguém se considera importante, não sendo nada, engana a si
mesmo.” (Gl 6:3).

 

Separação é crucial

Se sua amizade foi além da sexualidade, a importância de um tempo de total
separação desse indivíduo é de inexplicável importância. Porque, por conta da natureza
feroz do pecado sexual, nós somos chamados para fugir o mais rapidamente possível
(2Tm 2:22; 1Ts 4:3). Embora esse seja um passo difícil de ser tomado por alguns, é vital.

Envolva uma mulher cristã mais velha que possa te dar suporte e força durante esse
tempo, apontando Jesus, seu único Salvador, Redentor e Verdadeiro Amigo.
Aconselhamento é vital

Porque há algumas repercussões específicas para sexualidade em uma amizade entre
dois indivíduos de mesmo sexo, um bom conselheiro bíblico pode oferecer o suporte, as
ferramentas e a clareza de que você precisa para seguir em direção à liberdade à
concepção saudável de sua sexualidade.

Na parte 6, falaremos de uma nova tendência cultural, a romantização de amizades e o
perigo associado a ela.

 

Kelly Needham
Tradução: Daniela Zanella

Nota: Esse artigo foi originalmente publicado no blog KellyNeedham e traduzido sob autorização da autora.