“Podemos olhar, ainda que por um só momento, para as profundezas da majestade esmagadora e da santidade inacessível do Deus vivo? Será que temos recursos interiores no momento em que somos confrontados pelo Santo, quando somos levados não apenas em pensamento, mas com a totalidade de nosso ser, à presença do grande Mistério que toca a raiz de nossa existência e envolve nosso espírito mesmo antes de nos convencer com força avassaladora?”

 

Quando li esse parágrafo fiquei pensando no assunto “recursos interiores”. O que são recursos interiores? Quais são os meus recursos interiores? E afinal, quais são os recursos interiores que Deus quer achar em mim no momento em que “eu for confrontada” por Ele?

Além disso, fiquei curiosa para saber o que as pessoas pensavam sobre o assunto “recursos interiores” e fiz a três amigos a seguinte pergunta: “Para você, o que significa ter “recursos interiores”? E o resumo das respostas é:

 

– A primeira coisa que veio na minha cabeça é: algo que venha de você. Quando ouço “recursos interiores” penso no que vem de dentro e varia de pessoa para pessoa. O que as pessoas podem oferecer umas às outras é parte dos seus recursos interiores. Tipo, meus recursos interiores são confiança, amizade, carinho, pessimismo e etc. ter recursos interiores é ser único, ser você mesmo. É ter suas próprias qualidades e seus próprios defeitos. É a personalidade que foi moldada gradativamente variando de pessoa para pessoa. Nesses recursos também se englobam a fé, o amor e a esperança. Todo recurso interior é refletido para fora, o que acaba dizendo “quem você é”. É possível saber por atitudes (reflexos) o que há de recurso interior em você.

 

Sendo assim, e refletindo sobre o assunto, pude perceber que nós, cristãos, buscamos constantemente ter os recursos interiores dos personagens bíblicos que gostamos:

– O apóstolo João: João era uma pessoa passiva, sentimental e introspectiva. João era carinhoso, atento, prestativo e respeitava seu mestre. Queria agradá-lo a todo custo e não é à toa que ele ficou conhecido como “ o evangelista do amor”.

– O apóstolo Pedro: Pedro foi um discípulo sincero e dinâmico. Impulsivo, sofreu durante sua vida constantes evoluções, o que deu a ele uma plena e total dependência de Deus. Pedro foi sábio, alegre, corajoso, líder e homem de fé.

– Jó: “Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; e era este homem íntegro, reto e temente a Deus e desviava-se do mal. ” Jó 1:1. Jó ficou conhecido pela sua paciência, e pôr em meio a todas as suas tribulações nunca ter blasfemado o nome de Deus, permanecendo temente. Jó não deixou de ter fé e, além de tudo, soube como lidar com seus amigos insistentes. Ele se diferenciou “porque ninguém há na terra semelhante a ele”. Ele sabia se relacionar com Deus.

– Davi: O homem segundo o coração de Deus. Davi, apesar de tudo, foi extremamente obediente a Deus. Levou uma vida de adoração, confiou em Deus e foi corajoso. Davi foi ousado, se apresentou e não temeu diante do perigo. Davi tinha um coração arrependido, soube esperar o tempo de Deus e aceitava ser disciplinado. Davi era animado, sabia tocar e sempre foi valente.

– Ester: Ester sabia ouvir, mantinha uma boa aparência e sempre foi humilde. Pôs sua fé à prova e soube muito bem gerenciar crises. Era confiante, via o lado positivo das tribulações e falava a verdade. Ester era obediente, sincera e determinada; e tantos outros personagens como Salomão, José do Egito, Moisés, Elias e Abraão.

Além disso tudo, Paulo chega para as igrejas, no novo testamento, dando-lhes muitas dicas de como agir, como se portar entre os irmãos e como agradar o coração de Deus. E parece uma boa tentar obedecer a Paulo, né?!

 

“Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou. ” Efésios 4:32.

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. ” 2 Timóteo 2:15-16.

“Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós; acima de tudo isto, porém, esteja o amor, que é o vínculo da perfeição. Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos. Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração. E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. ” Colossenses 3:12-17.

 

Agora, eu poderia dizer como sou feliz e confiante por ser quem eu sou, já que tenho todos esses recursos interiores que citei. Mas não. Eu não tenho nem metade desses recursos interiores e eu me cobrar porque “deveria tê-los e não os tenho” na intenção de provar o amor de Deus por mim, é um grande erro.

A busca incessante por ser alguém melhor, ser como outra pessoa e até ser como Cristo gera em nós um tremendo desânimo que nos joga diretamente no “lamaçal da desesperança e da tristeza”, já que geralmente não conseguimos. O pecado nos faz achar que somos completamente inúteis, medíocres e falsos cristãos. Nossos defeitos nos acusam todos os dias, apontam o dedo para nós e nos convencem de que não somos merecedores da grande e perfeita misericórdia de Deus. Nos pegamos, frequentemente, odiando a nós mesmo, porque a nossa sujeira causa repulsa em nós, e pensamos, quem dirá à Deus. E tudo isso é verdade. Porém, a verdade que sobressai toda e qualquer verdade expressa a nós em nossa caminhada cristã é: Deus não apenas te ama como você é, mas Ele gosta de você.

“Todavia, Deus me separou desde o ventre de minha mãe e me chamou por sua graça (…). ” Gálatas 1:15. “Tu formaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. ” Salmos 139:13. Perceba uma coisa, em nenhum momento a bíblia diz: Deus te chamou porque você é perfeito e tem todas as características que Ele quer. Pelo contrário, ela diz: Deus te criou. E te chamou.

“Quando a glória do Deus transcendente (soberano em poder) está fora da nossa pauta, nossa atenção se volta para um comportamento humano, para o cultivo de virtudes e para a eliminação de defeitos, para a qualidade dos discípulos e assim por diante. A responsabilidade pessoal passa a ocupar o lugar da resposta pessoal diante de Deus, e mergulhamos em nossos esforços para crescer em santidade. Nosso principal interesse passa a ser o bem-estar espiritual, intelectual e pessoal. ” Longe do amor de Deus nos martirizamos por ser quem somos e por possuirmos os recursos interiores que possuímos. Mas, leitor, confesse: quando você está embalado no amor dEle, desmanchado em Seus braços, você se sente loucamente desejado e não se preocupa com a forma que está. E isso acontece porque Deus não te vê com os olhos do padrão do mundo, e Ele conhece seu coração. Isso acontece porque Deus tem um propósito inimaginável para a sua condição.

Como um velho pregador negro disse a um viajante numa das estradas poeirentas no estado da Georgia: “Seja quem você é, porque se você não for quem você é, você será quem você não é.” E ser quem você não é, é a mesma coisa que olhar para os céus e dizer: Deus, eu não confio no Senhor. Eu não acredito que o Senhor realmente me ama, pois olha como sou. Eu não sou merecedor da sua misericórdia, porque o mal que não quero fazer, faço. Porém, leitor, cuidado: “Todas as tentativas de medir o valor de nossa vida por meio de comparações com os outros depreciam os nossos dons e desonram a Deus por causa de nossa ingratidão.

“Ao ouvir com fidelidade a Palavra de Deus, muitas vezes negligenciamos sua principal palavra para nós – a dádiva de nós para nós mesmos: nossa experiência, nosso temperamento, nossa história pessoal, nossa singularidade, nossos defeitos e imperfeições, nossa identidade”. Estamos tão acostumados a julgar os outros e a nós mesmo segundo nossos padrões que acabamos ficando cegos para a vontade de Deus a ser realizada em nós da forma que somos, porque Ele sempre soube como tudo seria.

A grande questão é que foi imposto a nós que não somos dignos de receber o amor de Deus porque somos pecadores. E a verdade é que não somos. Mas há um ponto muito pouco falado e extremamente importante, a soberania da vontade de Deus e da sua compaixão. Deus, no auge da sua sabedoria e soberania, sabendo da queda do mundo, resolveu fazer seus filhos baseados em sua misericórdia, e deu a eles características únicas para que pudessem, de alguma forma, avançar o Reino na Terra para a glória dEle. Deus nos vê pelos olhos de Cristo, e não pelos nossos. Essa é a maior loucura do evangelho e essa loucura nos faz ser aceitos por Deus.

“Quanto mais qualidades e competências temos numa determinada área, mais temos a sensação de não ter o suficiente, de não estar à altura. Para quem tem algum complexo ou sentimento de inferioridade numa determinada área, a boa notícia é que, todos nós temos muitos mais recursos interiores do que aquilo em que acreditamos! ” A nossa própria existência é uma das maneiras únicas que Deus escolheu para se expressar no tempo e no espaço. “Somos feitos à imagem e semelhança de Deus e, por isso, você e eu somos mais uma promessa que ele fez ao universo de que continuaria a amá-lo e a cuidar dele. ” E eu vou tentar te provar como isso é verdade.

“E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito. ” 2 Coríntios 3:18. As transformações vêm através de Deus. A partir do momento que Deus te criou sua imagem e semelhança, de uma forma que compraz a Ele, Ele sabia todas as transformações que você passaria no mundo, e Ele usaria (usa) isso para mostrar a Sua glória e Poder. Deus não errou ao te criar. Ele te criou a imagem e semelhança dEle. Deus, antes de tudo, te amou.

O recurso interior que Deus quer achar em você quando vier te confrontar é a certeza de que você tenta honra-lo através das características (boas e ruins) que Ele mesmo te deu, afim de ganhar Seu Reino. E o recurso interior mais importante é o amor. A Palavra declara que o amor cobre multidões de pecados: Jesus diz a Simão, o fariseu: “Perdoados lhes são os seus muitos pecados, porque ele muito amou. ” Lucas 7:47. O amor expresso por Deus em você te tornará uma testemunha de quem Ele é, e Ele é aquele que te aceitou como você é e te aceita em sua ingratidão por não se auto aceitar, criação segundo a vontade dEle. A partir do momento que você está em Cristo, para Deus, você é visto pelos recursos interiores dEle. A luta por adquiri-los é baseada nas graciosidades que Deus já te deu ao te criar. Ser e aceitar ser quem você é fará você querer ser quem Deus quer que você seja.

Além de tudo, Deus sabia que você não se aceitaria. E a bíblia diz até que não devemos conformar o nosso coração. A inconformidade não é uma coisa totalmente ruim. Conhecer a Deus nos faz querer melhorar para Ele, em forma de agradecimento. Mas outro grande ponto a ser discutido é que o foco está na frase “você não merece o amor de Deus” quando deveria estar na frase “Deus é bom”. Os frutos do Espírito são consequência de quem tem o Espírito. “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. ” Gálatas 5:22-25. E uma das consequências de ter o Espírito é viver sendo lembrado a todo momento das promessas de Deus, e uma das promessas dEle é a sua transformação, leitor. A nossa. Sentir a transformação de Deus é um dos sentimentos mais prazerosos que podemos sentir na nossa caminhada, e esse sentimento só acontece porque Deus é perfeito, e foi perfeito também ao nos criar como somos.

Resumo: o que eu posso dizer é que não entendo o amor de Deus. Mas o fato de Ele me usar como eu sou, e se lembrar de mim em minha mediocridade me faz ama-lo. Saber quem você é em Cristo e conhecer seus recursos interiores gerará em você uma vontade incontrolável de honrar a Deus usando essas características, mas detalhe: elas nunca gerarão em você um sentimento de conformismo. Deus, Todo Poderoso, usa de suas duas situações: quando você aceita sua forma pecadora, aceita que é falho, Deus usa disso para te mostrar como é amado, porque o preço já foi pago, e suas falhas, que te levaram a pecar, já escorreram como sangue na Cruz; quando você está inconformado por ser quem é, um pecador nato e falho, Deus também honra isso. Mas o foco não está em você, Deus não te honra por favor. O foco está em Deus, que é infinitamente amor. Deus ama os seus filhos de tal forma, que entregou Jesus para condenar o pecado que Ele sabia que existiria em nós, afim de se relacionar conosco. Deus não se agrada das suas falhas, mas Ele se agrada com um coração que anseia por honrá-lo, independente das falhas. Buscar ser aquele que você pode ser para Deus, em Cristo, é ser quem você nasceu para ser. Você nunca será o outro, mas você pode sim ser um você melhorado.

“Antes mesmo de te formar no ventre materno, Eu te escolhi; antes que viesses ao mundo, Eu te separei e te designei para a missão de profeta para as nações! ” Jeremias 1:5. Antes mesmo que viesses ao mundo, Eu te separei e te designei missionário, pastor, dançarino, diácono, médico, professor, líder de louvor, político, dona de casa, mãe, pai, jogador de futebol, pintor e qualquer outra coisa, através das características que Eu te dei e exatamente como você é. Então, meu filho, para mim você é meu filho amado, puro, limpo e justificado, e eu te fiz perfeito segundo os meus olhos, para o meu agrado. O pecado corrompe, mas meu amor é imutável. Antes mesmo que viesses ao mundo, Eu te separei e te designei meu filho. Eu te designei perdoado e salvo, e esses devem ser seus recursos interiores, e eles devem ser lembrados e mostrados, junto com o amor pelo próximo e por você mesmo.

“Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus. ” Filipenses 1:6. Seja você cego espiritualmente, fraco na fé, sem esperança, confuso, medroso, acanhado, enfim, seja você quem for, a vontade de Deus para sua vida é boa, perfeita e agradável e isso não muda por quem você é, mas isso é verdadeiro por quem Deus é. Imutável, Pai e perfeito.

“Vivenciar o amor de Deus em Jesus Cristo significa vivenciar que fomos aceitos sem reservas, aprovados e infinitamente amados, que podemos e devemos aceitar a nós mesmo e o nosso próximo. ” Não transformemos o Evangelho. Ele nos diz que Deus nos ama como somos porque entregou o seu Filho a nós e essa deveria ser nossa maior motivação. Por que tentar “humanizar” o espiritual? A verdade é libertadora, e a verdade é que Deus te chama, da maneira que você está agora, para ser um cooperador.

“Quando então, Pai eterno, criastes essas tuas criaturas? (…). Mostras-me que nos fizeste com um só fim: em tua luz te viste compelido pelo fogo do teu amor a dar-nos vida apesar do mal que queríamos cometer contra ti, Pai eterno. Foi fogo, então, que te compeliu. Ó amor inefável, ainda que contemplasses todos os males que tuas criaturas cometeriam contra tua bondade infinita, agistes como se não tivesses enxergado e fixaste o teu olhar somente na beleza da tua criatura, por quem te havias apaixonado como alguém embriagado e louco de amor. (…) és o fogo, nada se não um fogo de amor, enlouquecido com o que criaste. ”

Texto baseado nos livros Confiança cega e O anseio furioso de Deus, ambos de Brennan Manning, e na pregação O amor de Deus por você de Paul Washer.
Recomendações:

Brennan Manning – A jornada de um maltrapilho
Paul Washer – Você é Amado

Yasmin Muniz